junho 07, 2010

O último colhedor de azuis

Márcio Bernardo levou consigo a mágica de colher azuis e de distribuí-los. 
Foi um grande amigo meu; hoje só viaja. 
Desejo-lhe todo azul de que precisa para o que segue depois do muro. 
A ele ofereço este pequeno conto.


Ele era aquele que decidiu colher os azuis do mundo. Com essa diferença de ser e de arriscar, ele foi por toda vida, e foi o último. E como não houve companhia para este sentir, teve de cumprir sozinho a estranha sina da cor que não sai. O primeiro azul que apanhou estava no sorriso de sua mãe. Era um azul muito por baixo da cor da boca, mas já era o início de sua coleção. E gostou tanto dessa tonalidade que quis para si sorrir sempre, imaginando que tudo que sorri é feito de azul. E foi essa alegria sem medida que o levou aos azuis de outros recantos. A partir do segundo azul, que era o da bola de gude, ele enxergou as estrelas guardadas dentro do vidro redondo, e concluiu que os azuis mais vibrantes dormem nos lugares em que um pé não vai. Guardou então esse cálculo para no futuro somá-lo a tudo, quando saísse a buscar infinitos, sem desconfiar de que essa fundura de azul já estava consigo. No primeiro passeio depois do dia, engarrafou um pouco do céu, que é o azul dos quatro lados; em seguida, o mar, com suas variantes de azul-verde e de azul-cinza; colheu-o cautelosamente com um conta-gotas, pois tem muita água e não cabe levar de tão pesado. Antes haviam dito que o mar não era azul verdadeiro, mas ele constatou que de tanta distância indo, no mais depois, haveria de ser azul só. Recolhidos então aqueles mais abrangentes e de serviço a todos, os outros azuis eram dos olhos, de como eles extraem o mundo para si, de como podem ser generosos ou mesquinhos. E nesse avançar encontrou tipos muito estranhos de azuis; alguns que eram mais disfarce do que cor; outros desciam tanto que desazulavam-se em imensos escuros e medos. Enquanto  isso, os amigos, aqueles que com ele dividiam os azuis do mundo, sabiam que viver de procurar somente azul poderia ser perigoso, pois astúcia e esperteza são tonalidades que simulam azuis para atrair colhedores ingênuos. E disseram do perigo de ir muito lá e da descoloração do tempo, já que o azul tem um tempo de vida determinado pela profundidade de quem vê. Contudo, nosso colhedor, sempre tão resoluto, azulou, azulou, que não cansou da cor e dos planos disso mais. E rumou até o mais viver. Os amores da estrada ele vestiu de azul, o sofrimento, com a mesma intensidade, e aí as intenções e as memórias. E foi isso. No último dia, esse incansável apanhador de cor, em desejo de azul do infinito, quis provocar a alegria mais acesa de um sentir-se, e inebriado com a quantidade de luzes que disso vinha, não apenas da região azulada, mas do cruzamento de todas as suas variantes com lilases, com laranjas e olivas, não calculou a profundidade do passo: e isso foi só despedida... mergulhou. Na mão, o conta-gotas vazio, na estrada interditada alguns tantos sonhos, um corpo no chão, sem ir. Caiu pois do outro lado do muro, do último, sob um silêncio inteiro, de cortar os fios, de alegria ali parada, sem cor que lhe pudesse socorrer. A única possibilidade feliz dessa tristeza foi o encaixe completo dos azuis que faltavam à sua coleção, que agora tinha azuis daqui e azuis de lá. O resto da história é toda de desencaixe: os de cá, de olhos caídos de falta, sem as lições do sorriso e da generosidade, e o abandono dos azuis do mundo, que ainda estão à espera de outro colhedor, e ele foi o último.

Ricardo Fabião (Junho 2010)

(a imagem acima é de Marcelo Bresciani)

24 comentários:

  1. Ricardo!

    Viajei nas linhas deste conto tão singelo e tão profundo... Meus olhos e minha alma coloriram-se com todas suas matizes. Além do pesar pelo colhedor que se foi, permite-me sentir despontar a esperança de que ele não tenha sido o último?

    Abraço, meu amigo.

    ResponderExcluir
  2. Aposto, sim, em muitos outros
    colhedores de azul, Renata...
    É que o conto carrega muito
    sentimento; e sentimentos correm
    além das mãos e dos olhos.

    Feliz por você ter aparecido aqui.

    Beijos.
    Ricardo

    ResponderExcluir
  3. :)

    Azul é uma cor linda.

    A cor dos meus sonhos, dos meus medos e das minhas vitórias.

    Aliás, os meus olhos também têm azul... Azul com amarelo, a que chamam VERDE... :)

    Beijinho*

    ResponderExcluir
  4. Maravilhosa colheita essa de azuis pra redistribuir por aí...Lindo!abração,ótima semana,chica

    ResponderExcluir
  5. Interessante como os arco-íres das nossas vidas se vão com a chuva... e só percebemos após a estiagem.
    O azul, porém é o único que permanece pra sempre em nossas vidas!
    Andressa Fabião

    ResponderExcluir
  6. Nesse mundo faltam tantas coisas que, se faltasse mais uma, não haveria lugar para ele".
    Seu conto me fez viajar no excelente paradoxo de Macedonio Fernandez.
    Seu amigo me perece ter sido um catador de poesias entornadas nos vazios deste mundo.
    feliz de que pode lê-lo, meu amigo.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  7. "Os amores da estrada ele vestiu de azul."

    Ricardo, que bela imagem imaginar o amor assim, todo vestido de azul, assim como todos os outros sentimentos.

    O interesante é que a gente acaba de ler, e fica imagiando tudo azul...rs

    A sua poesia é azul... Eu a vestiria de azul, com certeza!


    Beijos e carinhos meus!

    ResponderExcluir
  8. Coração apara azuis. Eu gosto quando a cor é a de pintar os setes da vida.

    Abraço, Fabião.
    Sigamos...

    ResponderExcluir
  9. Lembrei de um grande colhedor de azuis: Carlos Pena Filho.

    ResponderExcluir
  10. Ricardo, o meu coração ainda bate ao ritmo do maravilhoso azul que é este teu conto. Tão belo, tão ... que me faltam as palavras para conseguir descrever o que sinto, pois neste instante só sei que estou imersa no mais belo azul, azul único e intenso das tuas palavras.

    Beijinhos doces e obrigada por este azul, Ava.

    ResponderExcluir
  11. Estou simplesmente "cheia" de azul.
    Desde os meus olhos ao lerem este seu maravilhoso texto, até à minha alma triste pela partida do seu amigo.
    Que o azul imenso do céu seja o seu doce e eterno leito.
    Fiquei sua fã :-)
    Um beijinho
    Fê Blue bird

    ResponderExcluir
  12. Gosto de pensar que sinto o cheiro das cores e, aqui no seu conto, vejo que isso é possível. Sim, é possível escutar, sentir e até colecionar. Basta o desejo.
    gostei de vir aqui. Um abraço

    ResponderExcluir
  13. É muito interessante a ressignificação dos signos
    do conto a partir dos comentários de tão nobres colhedores
    de palavras e cores...
    É como se juntos fôssemos construindo novas possibilidades
    de azul; intensificando o já dito; e cavando mais, até
    alcançarmos o mais indizível sentido.

    D.R., Chica, Andressa, Jairo, Ava, Germano, Fred,
    Ava Santos, Fê e Jacinta, a todos agradeço a visita
    e as palavras.

    Beijos;
    abraços.
    Ricardo

    ResponderExcluir
  14. Associo o azul residente em meu olhar e aquele que, por maior, não consigo alcançar e sei, existe, ao seu conto, dávida generosa em torno da amizade. A vida é uma viagem interminável que não se extingue no poente dos olhos - vai mais além.

    Este, como o anterior trabalho que aqui deixou, são sintomáticos de que quem escreve se, intrinsecamente, tem valores, como ao caso, deixa mensagens profundas aos intertextuantes em que a palavra escrita tece escalas na pauta de silêncios introspectivos a que a literatura cognitiva nos obriga.

    Muito bom o que nos delega aqui.
    Saudações com admiração e estima

    ResponderExcluir
  15. Um lindo conto Ricardo, gostei muito... bjs

    ResponderExcluir
  16. Observei as curvas. Das palavras...
    Gostei. Por isso estou a seguir-te!

    beejo!

    ResponderExcluir
  17. Emocionada com seus azuis...como todos os tons de esperança neles encerrados...em todas as cores desses azuis...
    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Belo conto, e, aliás, gostei muito do blog, Parabéns !!

    Thaís

    ResponderExcluir
  19. Boneca,
    primeiramente agradecer-lhe a visita; segundo
    dizer-lhe que a análise que me fizeste do traço
    corresponde perfeitamente ao que foi apresentado nos dois
    últimos contos.
    São narrativas pautadas no silêncio e na introspecção.
    Volte sempre.
    Beijos.

    Poetic,
    mais uma vez agradecer-lhe as palavras, que muito
    me impulsionam à poesia.
    Beijos.

    Essência,
    bom que percebeste as curvas,
    que percebeste as palavras,
    o restante é deixar-se ao próprio tempo.
    Beijos.

    Amanda Bruna,
    seja bem-vinda ao "Curvas da palavra";
    agradeço-lhe a visita e as palavras deixadas.
    Beijos.

    Keila,
    se os azuis do conto conseguem causar-te emoção,
    certamente estão bem distribuídos nas linhas
    que constroem o sentido. Fico feliz que tenhas
    gostado; feliz também por novamente me visitares.
    Beijos.

    Thaís,
    agradeço-lhe as palavras e a visita.
    Volte sempre.
    Beijos.

    Ricardo.

    ResponderExcluir
  20. AZUL DE VOCÊ...

    Azul foi a cor
    dentre tantas escolhida para identificar o amor.
    Havia somente uma
    coloração acinzentada em meu interior,
    como a neblina que antecede as
    chuvas invernais...
    E desisti da melancolia, sobrepujei a agonia,
    revelando o
    desejo de sorrir uma vez mais...
    Descobri a cor quando
    escrevi seu nome no cantinho da tela,
    onde bordei lembranças em
    várias nuanças, que me trouxeram
    a fragrância que imaginei ter
    esquecido.

    Meu lábio tremeu ao perceber o azul de você,
    inconfundível,
    na confusão de sentimentos.
    O azul que conheço, o
    meu céu, o começo de um abraço e
    o som do sussurro que me encanta,
    quando você enfim,
    se declara enamorado.

    E me lambuzo do mel
    que degusto de seus lábios.

    Iveti Specorte ♥
    com carinho,
    Sílvia
    PS.:Vá na minha Casa. Estava bem abandonadinha. Só M. Ajuste. Hoje me dei um miminho. se desejar, pode entrar!

    ResponderExcluir
  21. Um dia, escrevi: sentimentos azuis são os que vestem melhor. Hoje, constato.
    abs

    ResponderExcluir
  22. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  23. Ricardo,

    Belíssimo seu texto! Sinto-me também um pouco colhedora de 'azuis' pelo Mundo... Seu amigo deve ser muito especial. Beijos a ele!!!

    E a você também por apresentar essa sensibilidade tão apurada...

    Beijos!

    ResponderExcluir