julho 01, 2010

O repasse


Disparou a palavra 'amor' contra o carcereiro. Com urgência. Foi quase sussurrada, ao ouvido; aproximou-se e disse assim, no último instante. Depois da palavra e do fio deixado pelo cheiro do uniforme na lentidão do corredor, o prisioneiro recebeu sua injeção de adeus, e não mais houve dele um som o corpo suado ali; ficou só a palidez encerada sobre a maca e o vazio impune da seringa. Contudo, aquele carcereiro, de armas e poderes, convicto, defensor dos seus brasões de homem, até morrer por isso faria, recebeu aquela última palavra e olhar, um repasse de chave, e ficou intrigado, e sentiu apertos de uma estranha saudade a poucos metros do corpo inerte do criminoso. O detento havia acertado as esquinas daquele que não se conhecia, e levou dele mais sangue ao silênciar do que seria com um tiro; doeu o instante todo, invadiu mais lá. Depois ficou a reverberar nas horas de sempre o sentido da palavra que jamais se abriu por completo; a chave não poderia ser usada, não foi. Nunca. Por que o preso não esbravejou? Por que não maldisse aquele instante? Fúria de homem para homem é mais fácil de tamanho, está no entendimento da força. Mas não foi assim; ficou aquele olhar gritando para trás, na fundura do corredor que avançava, e o carcereiro acompanhou com semelhante ânsia até engasgar. O que valia aquela última palavra multiplicada pela profundidade daqueles olhos a dizer? O que pretendia aquele ‘amor’ mencionado ali, onde, estando já à morte, seria só uma palavra? Era mais que isso. Aquela coisa deixada ao ouvido abriu lacunas, tornou o chão um terreno movediço. Se o preso quis posteridade conseguiu; se em sussurro jurou amor, deixou ao carcereiro um corte na respiração, impossibilitado agora de conseguir sossego com o que exigia de si, conhecer-se, uma porção mais pesada que o inteiro. Recebeu na alma aquela vibração sonora, de poucas sílabas, que desmontaria em breve suas moléculas mais resistentes, homem guardador de tristezas e pouca luz. Cavou, pois, fundo, o amor disparado em vez de balas, às vésperas do silêncio todo, do corredor para um nada enorme, nem céu por testemunha, apenas um sangrar. Foi com essa dor a esperança deixada na palavra, a última, com urgência de permanecer, algo que suplica pela segunda chance. Por esse repasse, o morto nunca deixou de estar e de seguir junto; a palavra ao ouvido só silenciou anos depois, juntamente com o homem firme, de armas vencidas, que nunca entendeu o sentido todo daquele disparo, mas abrigou-o em seu ser com memória e zelo, eternizado em sua versão original: ‘amor’.

Ricardo Fabião (Julho - 2010)

Texto para o desafio de Julho - Fábrica de Letras
Tema: "Disparou..."

22 comentários:

  1. Ricardo, adorei a forma como abordaste este tema polémico. A escrita é rica e capta a atenção.
    Acho que voltarei :)

    ResponderExcluir
  2. PARABÉNS PELA POSTAGEM.. SUPER CARINHOSA..PERFEITA. OS DISPAROS DO CORAÇÃO...
    ESTOU TAMBÉM PARTICIPANDO...
    UM TEMA BELO, MAS QUE PARA MIM É TRISTE. REGISTREI NA INTERAÇÃO A MINHA TRISTEZA PELOS DISPAROS. A VIDA É UMA INCOGNITA. ASSIM COMO NA CURIOSA..DEIXO O REGISTRO NA INTERAÇÃO..
    http://sandrarandrade7.blogspot.com/

    UM GRANDE ABRAÇO
    SANDRA

    ResponderExcluir
  3. Sem dúvida alguma que gostei. "Disparou a palavra amor"

    Já ando por cá. Volto.

    ResponderExcluir
  4. Excelente texto...

    Muitos parabéns.

    O amor quebra tudo. Quebra todas as convicções.

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  5. Maravilhoso disparo esse! abração,linda participação!chica

    ResponderExcluir
  6. Bravo!!!

    Nada teria mais poder do que isso. Não foi um revide, não foi uma lição. Não foi desespero nem desapego. Foi o adeus que sua alma conseguiu dar.

    Sabe o único problema dos teus textos, Ricardo? Qualquer elogio feito a eles torna-se inútil e pequeno. Faltam palavras para descrever as sensações e os sentimentos com os quais tu nos presenteia. Mas vou tentar: profundo, lindo, comovente!

    :)

    Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Mais um belo conto!

    O disparo de amor é como uma bala perdida... Nunca esperamos ser atingidos, mas estamos sempre vulneráveis.

    Beijo, querido.
    Ane

    ResponderExcluir
  8. "Disparou" e disparou muitíssimo bem, um tiro certeiro, um tiro no coração que leva a "dor" a eternizar-se...A vulnerabilidade maculada sem hipóteses de se "limpar".
    Abracinho

    ResponderExcluir
  9. "Fúria de homem para homem é mais fácil de tamanho, está no entendimento da força."
    Vc é bom nesse ofício árduo, Fábio, muito mesmo.
    Já tem algum livro publicado?

    ResponderExcluir
  10. ... E já é um dispari bem fundo, não causa sangue mas pode doer bem mais , porque é um disparo que vai permanecenco, não é momêntaneo...!

    Gostei*

    ResponderExcluir
  11. Uma arma... o poder de uma palavra!

    Sem mais comentários.
    Adoro ler o que escreve, Fabião.

    bjs

    ResponderExcluir
  12. O homem pode morrer, mas as palavras ficam para sempre - ditas ou escritas.
    Gostei muito do texto.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  13. Muito bom. Gosto dessa escrita em situação, como um recorte de tempo que não precisa ser justificado por seus antecedentes.
    O sentido invasivo do amor: fissura semântica na armadura aparentemente empedernida.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  14. Olá, Ricardo, muito interessante o conto, bem escrito, consistente e de solidez impressionante. A sutileza com que você coloca metaforicamente a palavra "amor" é de admirar.
    Parabéns pelo seu espaço, pelos escritos e pela postagem.

    ResponderExcluir
  15. O meu último post trata-se de agradecer; digo que fazer parte dos cantinhos dos amigos do meu blogue me engrandece, e o Ricardo já faz parte... adoro escrever, e as palavras têm o peso que lhes damos, mas é imensurável o poder das palavras, em qualquer contexto. Espero aprender com tudo o que aqui leio; sempre ouvi que aquilo que lemos nos desenvolve a nossa escrita e faz de nós mentes mais abertas e atentas. Gosto do poder das suas palavras. Em mim elas têm um efeito de criação.
    Obrigada. E se quiser, veja no meu blogue o meu agradecimento, porque também faz parte dele.
    Um beijo sem fronteiras. :)

    ResponderExcluir
  16. Um belo e triste bombardeio coronário.
    Bravo, Ricardo. Tecer-lhe elogios já está virando redundância. Nesse caso: Que se danem os gramáticos.
    Vc é sensacional, amigo.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  17. Ricardo, nao posso dizer que sou grato pelo que me disse porque sei que não se trata disso e, sim, de um encontro entre almas que se enxergam e se reconhecem. Nada sei de ti, e sinto profundamente esse escritor que vive o que escreve, que nao faz da palavra enfeite ou arma, apenas dispara sentimentos e suas verdades em busca da liberdade de ser e, quem sabe, alguém qdo te lê tb aprenda o prazer de se ser como é.
    Veleu, parceiro

    ResponderExcluir
  18. E há tiro mais fundo que a palavra amor?!
    Beijos

    ResponderExcluir
  19. A primeira frase é arrebatadora. E o texto é perfeito. Um pérola que nos prende a atenção do início ao fim.

    abrs!

    ResponderExcluir
  20. Querido amigo Ricardo,

    obrigada pelos (sempre sábios) comentários!

    Viver é estar constantemente numa roda gigante: ontem, eu estava na base; hoje, estou no topo. E assim a vida continua... E você, o que me diz? =]

    Beijo grande,
    Ane

    ResponderExcluir
  21. Passei para conhecer seu blog e fui bombardeada com palavras sábias e interessantes.
    Muito bacana.
    Bjs

    ResponderExcluir
  22. Ricardo, masi uma vez entrei e mais uma vez me deliciei com a tua escrita.
    Gosto da forma como escreves, e a força das tuas palavras.
    O tema está muito bem abordado. A força do amor, como arma, como disparo inesperado que mata por dentro, mesmo em vida.
    Muito bonito

    ResponderExcluir

Direitos reservados