outubro 29, 2010

Por uma diferença inteira



Para Oscar Wilde,
que não usufruiu uma diferença inteira.


Naquele instante desconectado, entre danças sem música e palavras sem som, ele era apenas o menino que não sabia protagonizar uma história de menino como um deve ser. Faltava-lhe o código. Cansava então disso sozinho, dentro do ar pesado, parado, com sua bola de pensamento mudo a mover-se lentamente sob o queimar da tarde. O pouco barulho do seu passo era de não acordar o mundo como ele é, nem de permitir a imaginação como ela voa, porque imaginar é ter muito tamanho fora, ficar grande demais, solto no susto que há em viver. Restava-lhe então calar e pôr disfarces sobre a transparência dos seus desejos. Assim, experimentando solidões, percebeu muito cedo a diferença, que era uma força ainda no grão. E assustou-se.
A partir desse incômodo, pôde finalmente constatar: ser menino é de um cuidado tão assim que só o medo de não ser na medida certa traduz a dimensão. O mundo dita o formato de sê-lo, e não sabê-lo ao certo é menos viver. Mas o menino do pensamento mudo não acatava de tanto quase; ouvia as regras e cansava disso, dentro da tarde suspensa, oca de tanto descaminho. Como me encaixo nas coisas? Que tipo de amor carrega um diferente? Enquanto não respondia a isso, chegava a noite, e ter apenas onze anos é de um medo já no começo de gente, um sendo que avança mais fundo com o tempo, e esse afundar é muito escuro quando não há chão. Corria então para o quarto, com o coração fora das horas, desejando encontrar-se consigo. Lamentavelmente, ali o silêncio logo ampliaria a sensação da diferença – algo que só cresceria para muito distante do seu entendimento. Punha-se à frente do espelho, despido, vencendo as máscaras da matéria até enxergar-se completamente, mas lá, muito dentro, morava uma voz que não era a sua, e era. Acenava em vão, e não se reconhecia.
Deitava. Ficava de contar minutos, apenas respiração, na penumbra parada entre tomar conhecimento de si e aceitar-se. E logo sobrevinha a bola de pensamento mudo – quantas dúvidas comporta uma vida tão pequena? Puxava o lençol, e tomava todo o impasse para esconder dentro dos sonhos, isento de cores, que o dia seguinte seria novamente o percebimento do desvio, e assim o sempre. Não havia régua que o medisse, não havia chão em que aprumasse sua transparência disfarçada; seu código era outro, seus brasões, sua ânsia, seus suores. Seu sangue seria derramado por outro sacrifício quando chegasse a hora. E assim permanecia a incerteza: eu vou com isso?
O mundo a repetir que meninos são meninos como meninos devem ser conseguiria converter sua diferença em semelhança? Haveria tal força? E a menina, dentro dos seus olhos, refletida no espelho, quem era? Com o traço impreciso de gente pequena rascunhava na mente o mundo como sendo uma imensa bola hermética, onde códigos e leis têm mais protagonismo que pessoas. E, percebendo-se, concluiu que a diferença é uma bola ainda maior, da qual todos fogem a calcular que não há caminho para um retorno. Ninguém quer arriscar permitir outras estradas; é mais cômodo reproduzir os desconhecimentos. Ele, no entanto, tão deixado ao acaso, rolava nisso de não caber exatamente no formato – um desviado, dançando sem música, dentro da vida que nunca passava.
Tudo assim percebido doía baixinho no início do sono, sob aquele lençol deslizante que nunca cobria. Depois viriam as manhãs para o cumprimento dos calendários. Ao mesmo tempo, cresceriam os silêncios, e assim outro enorme cinza se transformaria em tarde, e a tarde não traria solução para a menina dentro dos olhos no espelho. A diferença levaria o menino a dançar sem música, a compor lamentos sem doer em lugar certo. Seria interessante experimentar o vão inteiro do desvio, mas, depois dos cálculos reais, ele compreendeu que era incerteza demais para o tanto de normalidade que circundava o seu mundo.
Numa certa manhã, utilizando diversos disfarces, conseguiu trancafiar a diferença dentro de algum ponto inativo de sua mente. Para concluir o processo, maquiou gestos, travou braços e deixou de ouvir a música que o fazia dançar. E temendo que a diferença lhe escapasse pelos olhos, passou a evitar espelhos. Em seguida, deixou emergir de si um ser inventado, que passou a distribuir sorrisos que diziam “sou normal; aceite-me, por favor”. O restante da história não demorou a ter encaixe. A imensa bola hermética do sistema que ali passava no sempre, superlotada, com o mundo dentro, no caminho que deve ser, parou na primeira esquina, e ele entrou. E foi muito bem recebido por todos.
Curiosamente, na saída, viu lá fora, a sorrir ironicamente de tudo, a parte de si mesmo que fora trancafiada na mente. Parecia feliz, e absurdamente livre. Eram apenas imagens criadas na mente, concluiu. “Todas as minhas partes estão aqui, e seguem, comigo, dentro desta bola”. Mas, por estar assim uma diferença disfarçada constituída de forças antagônicas, há quem encontre nisso mais de um final na história.

Ricardo Fabião (Outubro -2010)

Texto para o desafio de novembro - Fábrica de Letras
Tema: Transparência

A imagem "O menino e a boneca" é da autoria de Graça Martins;

12 comentários:

  1. esses teus contos que o pensamento é mais importante que a ação
    que as palavras são mais importantes que a narração, que quase não há
    têm um estilo próprio que se estabelece
    abraços

    ResponderExcluir
  2. Ah que delícia de 'pensamento mudo', de inocência da regras...que vontade de abstermo-nos delas, dessas deusas más e incoerentes com nosso ser...Adorei o conto!
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Como é bom ver seus textos disponíveis, Ricardo! Parabéns, a cada postagem fico orgulhoso mais e mais po ver a palavra sendo tão bem cuidada.

    ResponderExcluir
  4. as curvas das tuas palavras vêm retas na alma minha de menino e poeta, se não intenso, na intenção... saudades de cada palavra e levo comigo os mais de dois finais que transvi ou revivi em mim para ver se acho tamanho medido ao descabido dos anseios. Tens Guimarães dançando no teu texto, mas dança segundo tua música e ritmo próprios. Reges como ninguém as palavras e vida se rédeas...
    abraço grande

    ResponderExcluir
  5. SER DIFERENTE NÃO É FÁCIL NUMA SOCIEDADE PADRONIZADA ,CONTRADITÓRIA E IMPERFEITA PRONTA SEMPRE A CRITICAR, A CONDENAR,A EXPULSAR,A PERSEGUIR... BEM HAJAM OS QUE OUSAM, OS QUE SE LIBERTAM DO CÁRCERE ...

    BELO TEXTO,ADOREI LÊ-LO

    ResponderExcluir
  6. Contornas as curvas das tuas palavras com sentimentos. Estabeleces uma excelente ligação entre o que é e o que queres transmitir. Cada vez que aqui passo deixas-me sem palavras, mas não mais poderei deixar de dar a minha opinião. Adoro a tua escrita. Adorei este conto de "pensamento mudo". Obrigada pelos agradáveis momentos que me proporcionas.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Ricardo que dizer? A cada tema me surpreendes mais, parabéns pelo belo texto. bjs

    ResponderExcluir
  8. A transparência de nossos ideias é tudo de bom.
    O amor a vida tem que ser vivida assim...Simplesmente com as transparências de nossas açoes.
    Estamos aqui. http://sandrarandrade7.blogspot.com/2010/11/trnsparencia-dos-sentimentos.html
    Carinhosamente,
    Sandra

    ResponderExcluir
  9. Eis os subentendidos da vida... fantástico texto sobretudo quando vc falou: "não tinha régua que o medisse", genial!
    beijos

    ResponderExcluir
  10. muito metafórico para um texto que se pretende transparente. No entanto, mais que dois, vi vários fins para a história. Inclusive a imaginei ilustrada (porque muito rica em imagens) e destinada ao público infantil.

    O que acha?

    ResponderExcluir
  11. Passei aqui lendo. Vim lhe desejar um Tempo agradável, Harmonioso e com Sabedoria. Nenhuma pessoa indicou-me ou chamou-me aqui. Gostei do que vi e li. Por isso, estou lhe convidando a visitar o meu blog. Muito Simplório por sinal. Mas, dinâmico e autêntico. E se possivel, seguirmos juntos por eles. Estarei lá, muito grato esperando por você. Um abraço e fique com DEUS.

    http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Fantástico!
    Ricardo, gostei muito de verdade! Num comentário acima citaram Guimarães Rosa nos teus textos, sim, vejo gritar também Clarice. Mas a voz que grita, é sua.
    "Na saída, viu lá fora, a sorrir de tudo, a sombra de si mesmo, que largava finalmente a bola do pensamento mudo para arriscar palavras no passo contrário".
    Perfeito isso, metafísica pura.
    As vezes temos que sair de nos mesmos para vencermos a si próprio.
    Abração, se puder, vá conhecer meu blog.
    http://carceredoser.blogspot.com/

    ResponderExcluir