maio 16, 2010

O zelador de morangos

          
          Não adiantou educá-la como se a vida fosse apenas um quadrado, como se o fio que costura uma personalidade obedecesse a padrões e tesouras. Desde muito cedo passaram-lhe a ideia de um mundo programado, estudado, mas Elisa não quis esse desenho para o caminho. Havia muita vida para queimar, e um quadrado não acenderia tanto fogo.
         A mãe era aquela a quem a perfeição vestiu com todas as medidas: sabia as regras de mesa, de sala, de quarto, e sempre que punha os pés fora de casa demonstrava como era seu esse papel de mulher em 1953. O pai era o senhor com óculos de grau para os quatro lados do controle e da continuidade; o mundo estava ali para que pudesses servir de passarela; e sobre esta ele desfilaria com sua família, triunfante de ter conseguido ser em vida a cópia fiel do seu pai.
        Juntos, naquele instante de Campinas, eles eram a família que dava certo levar adiante: nenhuma mácula no passado, nenhuma possibilidade de desvio no futuro. Mas Elisa sabia que muitas estradas abrem-se em “Y”. Assim enxergava a dela; e por mais que seus pais não quisessem, ela pegaria o lado oposto da história, e ainda contaria tudo de maneira diferente aos que a vissem passar. Uma trajetória de mais esquinas.
         Começou dias antes, ali, sob calor dos seus limites. Ela apenas olhou, e aquele moço, a quem todos chamavam ‘o crioulo, filho de seu José da quitanda’, ofereceu-lhe um tomate. Ora, o que vale um tomate quando aos quatorze tudo que se quer é ter mais mãos para chegar aos pontos certos? Pode tudo; ela compreendeu seu gesto. E ele foi tão silencioso, e apenas sorridente, que ela percebeu como era suave sua verdade, diferente do passo arrogante dos seus amigos do colégio. Decidiu então pousar os sonhos naquela fresta de felicidade que se abria na esquina. Quanto às cores que separavam aqueles mundos, ela passaria a borracha que estava em seu estojo. Tudo muito simples, próximo e possível, como deduzem os apaixonados.
         Ela mudou o caminho de casa por essa esperança de amor. Agora, com três ruas de acréscimo, na volta da manhã, demorava dez minutos a mais para colher o olhar do rapazote. Ele aproximava-se lentamente, mas trazia tantos olhos em troca, que ofuscava o movimento ao redor dela; de modo que eles ficavam órfãos de chão e de horas. Às vezes ele trazia consigo uma goiaba, um pêssego, uma maçã; estendia-lhe a mão, e ela apanhava também um pouco do carinho guardado na timidez do seu sorriso. No dia, enfim, dos três morangos presenteados, o rapaz juntou também coragem e revelou Antônio por seu nome. Depois, partilhando um pouco do que sabia, falou do cultivo dos morangos, desde a semeadura até a colheita, e do zelo que tinha por eles. Aguardava-lhes o aparecimento do broto, o surgimento das flores, enfim, a chuva vermelha dos frutos sobre os setembros e dezembros do campo. Ela apanhou tudo isso e correu para casa.
         Depois do jantar, naquele dia do nome dele, ela foi para o seu quarto, e no caderno pôs em códigos a paixão que aprendeu na quitanda. Uma letra “A” na primeira folha, para que fosse a porta, e na última o seu “E”, porque fecharia a história aos demais; depois, os corações pintados de vermelho, desenhou-os no alto de todas as páginas. Só ela saberia a multiplicação disso vezes porta, vezes intensidade, vezes o mundo depois; só ela confiaria o destino todo a um sentimento recheado de diferenças e morangos. Dormiu calculando que Antônio era o ponto final dos seus desejos; e com essa impressão vieram outras noites e frutas.
         Logo o senhor de óculos descobriu, impugnou, esbravejou, e teve início de ataque cardíaco, mas houve aquela pílula para a solução de tudo; a senhora da perfeição, fazendo jus às suas medidas, calou-se, consolou a adolescente; recolheu as cascas das frutas dentro do guarda-roupa da jovem e pôs tudo no lixo; e não poupou os corações pintados de vermelho.
         E todo aquele sonho pousado na fresta, e a porta, e as letras, e a história de ser diferente, ela mesma apagou quando conheceu Jonas, meses depois. E casou três anos mais tarde com as medidas trazidas por este moço: boa família, branco de pele e um futuro que já estava no caminho; e ele não pegava em fruta, muito menos em verdura, coisa de cozinha e de mulher. Elisa aprendeu a perfeição da mãe, mas algo nunca coube nesta contenção: sua incontrolável paixão por morangos.

Ricardo Fabião (maio - 2010)

Texto para o desafio de maio - Fábrica de Letras
Tema: paixão.

15 comentários:

  1. Ricardo, desculpe passar por aqui tão rápido... Mas quero dizer que tem um selo pra ti lá no meu blog.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Olá Ricardo
    Já tenho passado por aqui, a ler os seus textos, de que gosto muito.
    Este está muito terno e poético. Elisa escolheu o caminho socialmente correcto, mas provavelmente manteve o seu zelador de morangos num recanto secreto do coração.

    ResponderExcluir
  3. Renata,
    sinto-me lisonjeado por teres me escolhido entre os contemplados ao selo.

    Beijos.


    Teresa,
    fico feliz em recebê-la aqui mais uma vez. Como disse antes, para mim é uma honra tê-la como leitora de meus escritos.
    Não faltará pois oportunidade para conversarmos sobre nossos textos, nossa poesia...

    Também ando de visitar teu blog, do qual gosto muito.

    Beijos.
    Ricardo

    ResponderExcluir
  4. Ah...linda paixão por morangos...e quantos desses vermelhos se deixam escapar...e essa força ignorante das regras mal formuladas, bem formuladas das conveniências...belo texto! Beijos

    ResponderExcluir
  5. Ricardo, meu amigo, e a ainda mantemos em nossas vidas, a cultura do estereótipo. Um misto de precaução e incompetência.
    Muito bom o texto.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  6. Uma ternura esta sua história.Contudo, com uma chamada de atenção para as regras familiares impostas na sociedade daquela época. Hoje a mulher (salvo raras excepções) já não se sujeita a uma ditadura familiar, pois se a vida fosse um quadrado sufocaríamos sem conhecermos a sua verdadeira essência.

    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Meu caro, bonito conto. Embora ele pudesse, ousando um pouco lhe digo, resultar em mais outros, acredito que assim, de forma concisa, acentuado pelo desfecho, a sensação passada ao leitor, a sensação de melancolia e nostalgia se intensifica. Como disse, um bonito conto.
    Grande abraço,

    ResponderExcluir
  8. Coitado também do rapaz novo, que teve de viver a sua vida na sombra do Zelador... desse nunca ninguém fala!

    ResponderExcluir
  9. Jairo...
    etou aqui a ali demonstrando minha indignação para com as regras em exagero; os costumae e as tradições não podem conduzir tudo, pois há espaços em que só cabe o "eu", apenas o "eu".
    Valeu a visita.
    Abração.

    Keila...
    muitas vezes as regras não são nem mesmo questionadas, o que transforma algumas pessoas em verdadeiros "zumbis".
    É um prazer tê-la aqui.
    Beijos.

    MZ...
    concordo com o que você diz; por este motivo quis tratar o tema em um tempo já bem passado. Certamente hoje as mulheres não se submetem mais às ditaduras de maneira tão "passiva"; Isso é muito bom!! Seria muito triste se o conto tivesse 'essa validade' em dias atuais.
    Beijos.

    Rodrigo...
    penso nisso sim, e agradeço por suscitar tal possibilidade. Sinta-se à vontade para opinar sempre.
    Abração.

    Ricardo.

    ResponderExcluir
  10. Johnny...
    muito boa sua observação. Nesse processo, o marido de Elisa é tão vítima quanto os demais.

    Abraço.
    Ricardo.

    ResponderExcluir
  11. Que conto bonito! Minha primeira vez por aqui, vou voltar! bjs

    ResponderExcluir
  12. Que beleza de conto.
    De uma simplicidade que encanta, d everdade.

    :)

    Gostei muito!

    ResponderExcluir
  13. Adorei...
    Lindo, inteligente ,cativante.
    Eliete

    ResponderExcluir
  14. Poetic Girl, Ana e Eliete...

    fico feliz em tê-las aqui.
    Seus comentários me servem de impulso
    para o devir.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  15. Caro Senhor,
    Encontrei a sua palavra através da qualidade com que comenta.
    Num mundo imediatista onde se lê e se comenta de forma instantânea, marcou, a meus olhos, toda a diferença.
    E vim aqui. E confirmo, em boa hora, que a Curva da Palavra se curva na arte de bem escrever.
    Voltarei, se me permite. E, obviamente, lhe ofereço a casa da BonecadeTrapos, caso deseje.

    Saudações com estima
    *___bonecadetrapos___*

    ResponderExcluir