maio 22, 2010

Retorno

       
     
      Ela tratou, primeiro, de ir buscar sua vida por baixo da textura do dia, pois para cantar não lhe bastavam cordas vocais e respiração; necessitava, sobretudo, de algo que viesse colocar-se como fundo do olhar, para que de fato houvesse música e sentimento. Nunca cantava só a palavra; varria o mundo de dentro para interpretar o sentido de viver; algo que ateasse fogo na voz, um jorro de sensações, a paixão de ser por isso.
      Contudo, nem sempre se pode filtrar o que é puxado de uma escuridão, sobretudo, quando se trata da própria alma. E nisso vieram alguns sentimentos calados até o lá fora da noite; algumas dezenas de verdades ditas em avesso, outros terríveis enganos, abafados, e aquela saudade, a pior de todas: a saudade de não ter sido.
      Ao cantar, percebeu que só iria adiante se antes retornasse e curasse aquele machucado de vida deixado para trás, um caminho quebrado. E sob os cálculos dessa impossibilidade, mais silêncio caiu sobre tudo. 
      Ela sabia. Não havia música lá fora que chegasse tão dentro para um alívio; precisaria de todas as canções, milhões delas, e que juntas suplicassem todas as chances e  retornos, e que ficassem tomando o chão da madrugada, de muitas. E ainda que houvesse essa ajuda, não havia garantias de que conseguiria colar no ponto certo a vida que se partira profundamente. Foi o que interpretou naquele tango e tremor: o remorso de ter-se ausentado de si mesma, de ter negligenciado tão sagrada paixão.
      A música terminou e ela era mais uma vez sozinha e lá fora; e todo aquele sentimento visitado voltou para o lugar de dentro, camuflado. Estava instituído: no ponto em que se mantinha aquela saudade nada a resgataria. Por mais que ela insistisse em seus retornos, jamais saberia a porta certa de abrir, o jeito assim de rever.
      Permaneceria, pois, aquela dor calada, uma porção vazia, servindo de chão para o pouco dela que seguia naquele tanto que voltava.

Ricardo Fabião (maio - 2010)

Texto para o desafio de maio - Fábrica de Letras
Tema: paixão
____________________________

      A intenção primeira era fazer uma homenagem a Carlos Gardel, um dos autores da canção interpretada abaixo. A personagem original do conto era um cantor de tangos, mas apareceu Penelope Cruz, suscitando um fundo diferente ao que eu havia projetado. O vídeo faz parte do filme "Volver", de Pedro Almodóvar, cineasta espanhol.

    


16 comentários:

  1. Encontrei em tais palavras as mais belas curvas. O filme é maravilhoso! E o conto... também!!! :D

    Desta excelente prosa poética, destaco: "A música terminou e ela era mais uma vez sozinha e lá fora; e todo aquele sentimento visitado voltou para o lugar de dentro, camuflado."

    Beijo,
    Ane

    ResponderExcluir
  2. Caro Ricardo,

    É com lisonja que agradeço pela sua visita e pelas suas palavras. Parabenizo-o por esse espaço que sei que visitarei com freqüência. Li, não só os posts recomendados, como também muitos outros. Parabéns e vida longa ao Curvas da Palavra!

    ResponderExcluir
  3. Ane e Fred,
    caros poetas de mundo vizinho...
    essa sintonia que nos une - a palavra
    e seus desenhos - só é possível graças
    a nossa sensibilide.

    Abraços, beijos.
    Ricardo.

    (Fred, quanto às palavras deixadas em seu espaço, vocês as merece, cada uma, e muito mais)

    ResponderExcluir
  4. Oieeee, Oieee e Oii!!!!!

    Pow que saudade,
    Peço mil desculpas pela ausencia da internet.
    mas nunca o esqueci viu!
    Por conta de trabalho, rotinas novas, to meio sumido!
    Mas estou aqui, de volta viu!

    Aparece, Beijão!

    ResponderExcluir
  5. Ricardo,

    Escreve como quem canta. Realmente a música está muito presente em seus textos. Estarei sempre por aqui.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Luiz, Claire e Sérgio...
    três poetas, três estradas distintas, mas com a mesma luz a guiá-las: a palavra. Fico feliz em tê-los aqui, construindo comigo outras curvas e possibilidades.

    Abraços,
    beijos.
    Ricardo.

    ResponderExcluir
  7. Belo blog e belíssima postagem. Gostei da maneira apaixonada com que escreve.
    Faço-me um seguidor.
    Abraços.

    F.M.

    ResponderExcluir
  8. Flávio,
    agradeço a você comentários tão inspiradores; aproveito para lhe dizer que fico feliz em recebê-lo aqui, e mais ainda em saber que estás entre os que põem olhares sobre as curvas da palavra.

    Seja bem-vindo!
    Abraço.

    Ricardo.

    ResponderExcluir
  9. Perdi-me nesssas palavras, por momentos me imaginei sendo ela... bjs

    ResponderExcluir
  10. "Hoje, alguém pôs a rodar um disco de Gardel num apartamento junto ao meu... que tristeza me deu".
    Ricardo, um conto sensível. Apesar da sensualidade do tango, a tristeza do desencontro tomou conto da história.
    Bravooooo!

    ResponderExcluir
  11. Poetic Girl e Jairo...
    de um modo ou de outro os textos sempre guardam algo para nós, seja sobre nós mesmos, seja sobre o mundo que nos cerca.

    Bom tê-los aqui.
    Beijos, abraços.

    Ricardo.

    ResponderExcluir
  12. Fabuloso texto, tão intenso como a paixão que ela carrega. Adorei as emoções que exalam destas palavras, das melodias com que a minha mente se deliciou.

    Beijinhos Doces, Ava.

    ResponderExcluir
  13. As paixões tÊm se ser vividas de alma e coração no momento certo, caso contrário fica sempre a frustação de se ter uma oportunidade desperdiçada.

    Não tem retorno

    bjs

    ResponderExcluir
  14. Ava e Doméstica...

    fico feliz em recebê-las aqui, onde as palavras fazem a curva; aumentando com vosso olhar a pluralidade de sentidos e caminhos contidos nos textos.

    Sejam bem-vindas.
    Beijos.

    Ricardo Fabião.

    ResponderExcluir
  15. Ricardo: Parabéns! Está linda sua nova Casa.
    Cambia lo superficial
    cambia también lo profundo
    cambia el modo de pensar
    cambia todo en este mundo
    Cambia el clima con los años
    cambia el pastor su rebaño
    y así como todo cambia
    que yo cambie no es extraño
    Cambia el mas fino brillante
    de mano en mano su brillo
    cambia el nido el pajarillo
    cambia el sentir un amante
    Cambia el rumbo el caminante
    aunque esto le cause daño
    y así como todo cambia
    que yo cambie no extraño
    Cambia todo cambia
    Cambia todo cambia
    Cambia todo cambia
    Cambia todo cambia
    Com amor e carinho,
    Sílvia
    PS.: Lá na minha Casa há uma nova postagem esperando sua leitura!
    http://silminhacolchaderetalhos.blogspot.com/

    ResponderExcluir